20

Out

A causa do incômodo…

Quando o assunto é meio ambiente é comum uma apatia generalizada por parte da maioria das pessoas, e durante muito tempo me perguntei o motivo disso.

Até cheguei a fazer pesquisas a respeito e passei um bom tempo entendendo que uma das causas seria a ruptura e o distanciamento ocorrido entre natureza e sociedade, sobretudo a partir do momento em que “as máquinas surgiram” e passamos a achar que a tecnologia resolveria tudo (inclusive a escassez de recursos naturais).

Contudo, em plena era da informação já estamos cientes de que somente nós mesmos poderemos salvar o planeta e às nossas vidas por meio da mudança de atitudes tanto em macro quanto em micro escala.

Permanecia então o incômodo: porque há sempre uma sensação de que “caminhamos 10 passos pra frente num dia e no dia seguinte recuamos os mesmos 10 passos?”.

Basta observar as notícias: num dia, temos a descoberta de tecnologias e a criação de leis ambientais super protetivas.

No dia seguinte, temos a notícia de um crime ambiental ou de um retrocesso nas próprias leis.

Ontem ao assistir o filme Hidden Figures penso que acabei descobrindo uma possível resposta numa simples (mas muito contundente) frase de Malala Yousafzai:

“Não podemos todos evoluir quando metade de nós fica para trás”

A esse pensamento dedico a postagem de hoje!!!

19

Out

Temos plástico!

Recentemente a ONU Meio Ambiente lançou a campanha Mares Limpos e um de seus cartazes menciona que até 2050 poderemos ter mais plástico do que peixes nos oceanos!

Diante disso, resolvi falar um pouco sobre como isso afeta nossa saúde e também sobre algumas pequenas mudanças individuais cotidianas as quais  poderão contribuir para minimizar essa situação dramática.

 

 

Cada um de nós consome uma quantidade absurda de plástico durante toda a vida, e estes vem de todo lugar: o copo de plástico, o canudinho do copo de plástico, a embalagem de plástico dos canudinhos do copo de plástico, a garrafinha de água, a garrafa do refrigerante… e assim por diante.

Cientistas chineses coletaram 15 marcas de sais marinhos e encontraram entre os grãos de sal micropartículas de tereftalato de polietileno de plástico de garrafa de água comum, bem como polietileno, celofane, e uma grande variedade de outros plásticos.

Nos peixes e demais frutos do mar também já foram encontrados plásticos e em maiores concentrações. Além do risco à saúde por se tratar de objeto não comestível e não digerível e com capacidade de absorver e trazer com ele metais pesados que são causadores de diversos tipos de câncer.

Resta-nos, portanto, REDUZIR o consumo de plásticos no nosso dia a dia, e aqui vão algumas dicas de como fazer isso:

Leia Mais

18

Out

Cada pessoa conta…

Há algum tempo fiz uma chamada aqui no blog e nas minhas outras redes oferecendo um espaço para que pessoas, empresas e instituições falassem um pouco sobre suas iniciativas sustentáveis.

Sempre que recebo estas iniciativas, posto na página correspondente que você pode acessar clicando aqui .

Recentemente recebi um relato, da cantora Adna Oliveira, que ficará também lá na página, mas que me inspirou para esta postagem para lembrar que CADA PESSOA CONTA nesse processo de tomada de consciência em prol da sustentabilidade.

Entender a relevância de nosso papel individual é entender que não importa o tamanho ou a escala de sua ação, ela sempre será benéfica para a coletividade e para as futuras gerações.

Falemos então da artista ADNA OLIVEIRA e seu relato a seguir:

Gostaria de compartilhar as iniciativas que venho desenvolvendo, de uma forma muito simples, rudimentar mesmo.
Mas, que tem me deixado muito feliz! 
Embora, sirva também para perceber a resistência e comodismo da maioria de nós, em relação as ações e práticas sustentáveis. 
Morando há um ano e meio na Praia do Preá, litoral leste, oeste do Ceará. 
Quero construir meu cantinho com o máximo de ações SUSTENTÁVEIS.
Seguem algumas já em prática.
1- Compostagem orgânica (separação do “lixo” da cozinha),
2- Uso de Bomba manual para retirar água do poço para aguar as plantas. (Estou buscando parceria para construir um Catavento caseiro),
3- Reutilização da grama capinada, para adubar o solo arenoso. 
4- Uso de pneus encontrados na rua para decoração de jardim e outros.
5- Uso de garrafas em geral para decorar jardim. 
Essas são algumas iniciativas, que venho desenvolvendo ainda de maneira meio tímida. Mas, quero maximizar essas práticas.
 
Adna continue nos incentivando a ser cada dia melhores!!!
São exatamente essas ações que fazem toda a diferença no mundo!!!
Obrigada por tudo!

17

Out

Árvores e saúde pública…

Apesar de todo o apelo midiático voltado para as questões ambientais nos últimos anos…

Apesar de hoje “todo bicho de orelha” se dizer ambientalista…

Apesar da profissão de Gestor Ambiental vir se tornando cada vez mais desejada por quem “quer ganhar dinheiro” (triste ilusão)… Ainda estamos anos luz de uma verdadeira consciência ambiental evoluída do ponto de vista da coletividade.

Nas cidades, é cada vez comum solicitar a supressão de uma árvore por um motivo banal qualquer (a calçada quebrada… a sujeira das folhas… a rua que fica escura)

Por outro lado, também tem se tornado cada vez mais comum você adoecer duas, três ou até quatro vezes por ano, de gripes e virores de todo o tipo e sequer associar esse fato com a qualidade ambiental da sua cidade.

Pois bem… informo que uma única árvore é capaz de filtrar quilos de poluentes atmosféricos (um de seus muitos Serviços Ecossistêmicos), causadores das mais diversas doenças respiratórias.

Para se ter uma melhor noção, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma ser necessário uma cidade possuir PELO MENOS 12 metros quadrados de área verde por habitante, enquanto que a Sociedade Brasileira de Arborização Urbana (SBAU) afirma que esse valor deveria ser de pelo menos 15 metros quadrados por habitante.

Busque saber qual a realidade da sua cidade!!!

Se você soubesse disso talvez valorizasse mais aquela árvore fazendo “sujeira” na frente de sua casa.

Se a prefeitura considerasse isso, não permitiria que árvores fossem suprimidas por serem um “empecilho” à vias mais largas para carros ou “àquele” viaduto.

Se a prefeitura fosse PELO MENOS capaz de entender que a falta de qualidade ambiental impacta diretamente as contas públicas, hein?

Se a gente soubesse conviver com a NATUREZA VIVA (sim, a mesma que sustenta a vida de todos nós), eu sequer precisaria escrever esse texto ou mesmo ter esse blog!!!

Fica então aqui o recado e também um convite para conhecer CURTIR, COMPARTILHAR e acompanhar a fanpage Maya Ambiental, onde tenho trazido algumas reflexões sobre a forma como temos convivido com nosso meio ambiente e nossa mãe natureza!

Vamos acordar e valorizar o que realmente tem valor para nossas vidas!

Afinal, nunca seremos capazes de comer ou respirar dinheiro!!!!

 

11

Out

Apenas um recado…

É urgente e necessário acreditar que é possível mudar as coisas!

É urgente e necessário acreditar que as iniciativas individuais podem fazer a diferença!

Quer se inspirar? Clica na ABA INICIATIVA SUSTENTÁVEL aqui do blog!

Iniciativa Sustentável