09

Set

Natureza Feminina

“É da natureza feminina cuidar, preservar e ser prudente!”

“É da natureza feminina amar e valorizar a vida!”

Escuto essas frases desde minha infância e hoje entendo claramente que toda a busca pela emancipação e valorização da mulher perante a sociedade é, dentre muitas outras coisas, a única alternativa que temos de mudar a realidade que está posta.

Não estou querendo dizer que há superioridade de qualquer gênero, mas sim, que chegamos a uma situação insustentável e que o único caminho possível é começar a ouvir as ideias daquelas que quase nunca tiveram voz na história.

Leia Mais

05

Set

Natureza – Produto ou Serviço?

Um dos maiores desafios vivenciados por gestores ambientais na atualidade reside na mediação dos conflitos entre os interesses econômicos e a qualidade ambiental em prol da coletividade.

O Brasil possui uma legislação mundialmente reconhecida como bem estruturada, porém, é comum encontrar situações adversas quando se tenta aplicar na prática os preceitos e diretrizes indicados na Política Nacional de Meio Ambiente (PNMA).

Apesar de se falar em falta de conscientização ou de educação ambiental em si, o mundo hoje já reconhece que a educação formal recebida universalmente foi atrelada (desde o período da revolução industrial) à ideia de que a Natureza é um “recurso natural”, quando na verdade deveria ter sido compreendido que a natureza é um ente vivo e MANTENEDOR DA VIDA.

Tomando como base essa percepção pode-se afirmar que a natureza é sim um recurso natural (para a indústria), mas também um ente prestador de Serviços Ecossistêmicos que garantem a vida.

De forma ilustrativa, pensemos nas árvores da seguinte maneira:

Leia Mais

02

Set

Querem acabar com o licenciamento…

Essa postagem é especialmente dedicada àqueles que à duras penas tentam cotidianamente fazer cumprir a legislação ambiental nesse País.

Começo esclarecendo que sou completamente favorável ao desenvolvimento econômico das empresas e das pessoas. Não há nada de errado em trabalhar, produzir coisas e/ou prestar serviços, ou ainda em ganhar dinheiro para viver confortavelmente.

O grande problema está quando se tenta burlar as leis pra “facilitar”… “dar um jeitinho”… para resolver o próprio problema, que muitas vezes, não condiz com os interesses da coletividade.

Com o nível de tecnologia que temos atualmente, bem como com a boa legislação ambiental brasileira, temos sim condições de promover desenvolvimento e sustentabilidade ambiental, mas para isso, precisaremos de uma boa caminhada no sentido da auto responsabilidade e da responsabilidade para com o outro.

Leia Mais

01

Set

A culpa é da população! (???)

Depois de algum tempo trabalhando e/ou apenas transitando em alguns órgãos públicos observei que em matéria ambiental – sobretudo no que se refere à limpeza urbana (gestão de resíduos) – sempre tem alguma ideia mirabolante ou aqueles que se consideram os “super gestores da área de resíduos”.

Contudo, somos obrigados a conviver cotidianamente com o lixo espalhado na ruas e com todos os riscos à saúde atrelados a este fato.

Diante desse contexto, não faltam aqueles que dão entrevistas (quase que diariamente) na TV ou rádio, alegando que a cidade está suja porque “a população precisa se conscientizar e se educar”.

O fato é que todos nós realmente precisamos mesmo contribuir com a limpeza das ruas da cidade, porém, como exigir educação e zelo quando simplesmente vivemos em uma cidade desigual, nada inclusiva e principalmente, uma cidade que não proporciona qualquer condição que leve ao sentimento de pertença?

Leia Mais

31

Ago

Paisagens e humanidades…

Mesmo diante de todos os encantos que as paisagens naturais tem a nos oferecer, nada parece superar a beleza da generosidade humana.

Em um de meus trabalhos mais recentes tive o prazer de realizar uma auditoria na praia de Flecheiras, localizada no município de Trairi – Ce e fiquei impressionada com o quanto o turismo está crescendo e proporcionando desenvolvimento econômico pra região.

Também não passou despercebida a “gourmetização” de alguns hotéis e restaurantes, o que é positivo por um lado devido a qualidade de alto padrão, mas por outro, guarda um caráter segregador se considerarmos os padrões e possibilidades de consumo da população local. (Cabe ressaltar que caso estas diferenças coexistam de forma integrada e harmoniosa a priori não parece haver problema algum.)

Mas não é sobre isso que quero falar nessa postagem.

Leia Mais

28

Ago

Auditando o paraíso

Para quem ainda não sabe, as auditorias são um tipo de vistoria técnica realizada por profissionais habilitados (por meio de cursos específicos) e cujo propósito é checar se um determinado empreendimento ou ambiente está de acordo com alguma norma específica para se conseguir uma regularização e/ou certificação.

Recentemente realizei uma auditoria em Jericoacoara, praia aclamada como paraíso para muitas pessoas e cuja vila é rodeada pelo Parque Nacional de Jericoacoara.

De fato, a paisagem é exuberante e excepcional e hoje, na vila podem ser encontrados hotéis, pousadas e restaurantes para todo e qualquer bolso, o que torna Jeri uma espécie de “Vila Cosmopolita”.

Leia Mais

24

Ago

A pauta do dia é Reciclagem…

Hoje nosso blog volta ao ar e em grande estilo!!!

Ontem foi o primeiro dia da feira Recicla Nordeste 2017 e foi um grande sucesso.

Este ano a feira toma uma forma diferenciada, menos voltada para maquinários e mais voltada para os aspectos ambientais fundamentais e que estão sendo falados em todo o mundo: a Economia Circular e as Cidades Sustentáveis.

Fortaleza, graças ao trabalho dos empresários do setor (Sindiverde) e também aos grupos organizados de Catadores, começa a despontar como local de reflexão e também de novas conquistas para que a RECICLAGEM seja finalmente compreendida como o que ela é, ou seja, o nosso futuro e a nossa garantia de condições adequadas de vivência e consumo sustentável.

Leia Mais

20

Ago

Blog em manutenção

Peço desculpas aos leitores pela desatualização do blog.
O site está passando por manutenção.
Nos reencontraremos em breve.

12

Ago

Plástico pra comida ou uma boa dose de educação?

Recentemente a ONU Meio Ambiente lançou a campanha Mares Limpos e um de seus cartazes menciona que até 2050 poderemos ter mais plástico do que peixes nos oceanos!

Diante disso, resolvi falar um pouco sobre como isso afeta nossa saúde e também sobre algumas pequenas mudanças individuais cotidianas as quais  poderão contribuir para minimizar essa situação dramática.

Cada um de nós consome uma quantidade absurda de plástico durante toda a vida, e estes vem de todo lugar: o copo de plástico, o canudinho do copo de plástico, a embalagem de plástico dos canudinhos do copo de plástico, a garrafinha de água, a garrafa do refrigerante… e assim por diante.

Cientistas chineses coletaram 15 marcas de sais marinhos e encontraram entre os grãos de sal micropartículas de tereftalato de polietileno de plástico de garrafa de água comum, bem como polietileno, celofane, e uma grande variedade de outros plásticos.

Nos peixes e demais frutos do mar também já foram encontrados plásticos e em maiores concentrações. Além do risco à saúde por se tratar de objeto não comestível e não digerível e com capacidade de absorver e trazer com ele metais pesados que são causadores de diversos tipos de câncer.

Resta-nos, portanto, REDUZIR o consumo de plásticos no nosso dia a dia, e aqui vão algumas dicas de como fazer isso:

Leia Mais

11

Ago

Depois que o Decreto do Parque do Cocó veio…

A nova Lei de Uso e Ocupação do Solo de Fortaleza foi recentemente aprovada na Câmara e junto com ela a revogação da Lei 9502, extinguindo a proteção da Área de Relevante Interesse Ecológica (ARIE do Cocó).

Eu não imaginava que teria que voltar a falar desse assunto tão rapidamente… porém o mais recente acontecimento a respeito da ARIE me leva a repetir o artigo que havia publicado no meu blog no dia 04 de junho deste ano.

Para além das críticas à poligonal em si, inauguraremos também nesta data um novo contexto na cidade de Fortaleza o qual precisará de atenção redobrada: precisaremos estar ainda mais atentos à atuação municipal quanto ao “restante da cidade” que não está dentro da UC do Cocó.

Abaixo segue texto na íntegra:

Leia Mais