31

Jan

Piloto automático…

Relatando pra vocês uma recente experiência onde me vi saindo do piloto automático!

Estava eu em mais um de meus almoços improvisados às 15h num desses fast foods da vida (que não recomendo de forma recorrente), quando me dei conta de que tinha recebido em minha bandeja:

  • um copo de plástico (com o suco)
  • uma tampa de plástico no copo
  • um canudo de plástico
  • o plástico embalando o referido canudo de plástico

 

Sim, depois de ter passado o final de semana usando meu canudo reutilizável, dessa vez não tive tempo, oportunidade e nem “rapidez de consciência” para recusar quase todos aqueles plásticos ainda no balcão, porque peguei minha bandeja no PILOTO AUTOMÁTICO.

Foi nesse momento de autoconsciência e auto responsabilidade que compreendi que

“ser sustentável não é coisa de quem quer salvar o planeta, mas sim atitude de quem quer sair do piloto automático”

O tal piloto automático nosso de cada dia, que nos faz consumir “coisas” sem nos dar conta do que estamos descartando.

O tal piloto automático que nos deixa agindo como se fôssemos um robô. Como se não tivesse consciência de si e das próprias ações.

Digo a vocês que tentar sair desse piloto automático é um esforço absurdo, mas pode te levar a um nível de auto consciência que irá repercutir positivamente em todos os campos de sua vida.

O importante é despertar e prestar atenção em si mesmo durante todo o dia.

 

Que tal experimentar essa atenção especial consigo e com o planeta por apenas alguns dias?

Te desafio a recusar todos os plásticos descartáveis que lhe oferecerem durante 07 dias, pra começar.

Você vai perceber: o quanto está ligado no piloto automático; o quanto de plástico utiliza sem se dar conta; e o quanto você pode fazer a diferença no planeta.

Agora falando um pouco mais sobre o plástico, a ONU já emitiu vários alertas informando que até 2050 teremos (proporcionalmente) mais plástico nos oceanos do que peixes!

Todo esse plástico retornará para nós… seja em praias poluídas, seja nos peixes e demais frutos do mar e até no sal marinho! Veja o texto “Plástico pra comida ou uma boa dose de educação”

Ahh! Antes de terminar esse diálogo com vocês, ressalto a questão do uso das sacolas plásticas no supermercado. Fiquemos atentos! Já existem vários supermercados que oferecem caixas de papelão para você acomodar suas compras.

E então? Topam o Desafio?

Relatem aqui nos comentários e nas minhas redes sociais!!!

Insta: Maya Ambiental

Facebook: Maya Ambiental 

 

 

23

Jan

Guia do preguiçoso…

Se pudéssemos dividir as pessoas em caixinhas, teríamos pelo menos 05 tipos:

1 – O que não tem preguiça e topa agir para tentar “salvar” o mundo

2 – O preguiçoso que usa como desculpa o fato de “ser pequeno demais” para que suas ações tenham alguma importância

3 – O preguiçoso que se acha grande e importante demais pra ficar se ocupando com ações tão pequenas

4 – O preguiçoso pessimista que acha que tá tudo acabado e ninguém pode fazer nada para “salvar o mundo”

5 – O negacionista que acredita que nada está acontecendo

Em qual dessas você se encaixaria?

 

 

Pensando nos “preguiçosos” de plantão, a ONU lançou o GUIA DO PREGUIÇOSO PARA SALVAR O MUNDO

Para conhecer basta clicar no link: https://nacoesunidas.org/guiadopreguicoso/

E você também pode me seguir no Instagram @magdahelenamaya  e no Facebook @mayaambiental

 

Ahhh e se começar a fazer algumas dessas ações volta aqui para compartilhar com a gente!!!

 

19

Nov

Para onde as fezes vão? (Where does our poo go?)

Para quem acredita que Sustentabilidade diz respeito à plantio de árvores e limpeza pública essa postagem poderá ajudar a ampliar um pouco os horizontes.

É falacioso ou puro amadorismo que as cidades se auto-denominem sustentáveis quando são desprovidas de um DIREITO HUMANO básico que é o Saneamento.

Sim!!! Afirmo sem pestanejar que o Saneamento Ambiental (que envolve o abastecimento de água, o esgotamento sanitário, a gestão de resíduos e a drenagem de águas pluviais) é um fator primordial para a sustentabilidade e para a garantia de uma vida digna no contexto urbano.

De acordo com a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS (DUDH), artigo XXV (2009):

Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar-lhe, e a sua família, SAÚDE e BEM-ESTAR, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle.

Dentro desse contexto, no ano de 2016 uma Assembleia Geral da ONU reconheceu o SANEAMENTO como um direito humano e distinto do direito à água potável (antes o saneamento se enquadrava neste último).

Falando de forma mais especifica sobre o Esgotamento Sanitário, a região Norte do Brasil é aquela que apresenta os menores índices de cobertura, basta dar uma pesquisada rápida nos números disponibilizados pelo Instituto Trata Brasil. O Nordeste vem logo em seguida com os piores índices.

Em Fortaleza, os índices de cobertura não chegam a 40% (conforme mapa do Fortaleza 2040) e, dentro desse universo, as ligações reais ao sistema de esgotamento sanitário ainda são bem menores. Ou seja, mesmo nas áreas onde existe a rede disponível por vezes a população não realiza a ligação.

Sempre em minhas palestras, ao apresentar o mapa trago com ele a seguinte pergunta? Para onde vocês acham que todas as fezes de toda a população residente nessa área em branco estão indo?

 

 

Resposta: para o solo, para o lençol freático, para os rios e também para os poços de abastecimento do seu condomínio ou da sua casa, para a areia da praia que você frequenta… enfim, para aquelas áreas situadas mais próximas ao litoral. Afinal… todas as águas (inclusive as contaminadas por milhões de coliformes fecais) correm para o mar!!!

Infelizmente ainda se coloca toda a responsabilidade nas concessionárias (que sim, tem boa parte da responsabilidade) e na população. Contudo, a gestão ambiental deveria ter uma atuação mais contundente e responsável sobre esse aspecto. Bastava que para isso tive um mínimo de visão sistêmica sobre a realidade.

Aliás… eu arriscaria dizer que em 4 ou 8 anos de gestão, uma pasta ambiental realmente preocupada COM O QUE IMPORTA deveria se concentrar quase que exclusivamente nesse tema que afeta diretamente a saúde e  bem-estar dos SERES HUMANOS habitantes nas cidades.

E porque isso não acontece? Porque obras de saneamento NÃO APARECEM!!! Não é mesmo?

Também aproveito para ressaltar uma questão muito importante:

São as mulheres e as crianças as mais afetadas pelas más condições de saneamento da cidade e isso tem um impacto considerável na saúde pública. Lembrando que as condições de insalubridade perpassam não somente pela questão da rede de esgotamento em si, como também pela inexistência de banheiros em muitas casas, ou pelas condições inadequadas dos mesmos.

Hoje, 19 de Novembro de 2017, a ONU enfatiza o Dia Mundial dos Banheiros (World Toilet Day) para gerar a reflexão: Para onde você acha que suas fezes estão indo?

Como por aqui as condições são bem críticas eu deixo a pergunta:

Para onde você acha que todas as fezes da população desprovida de esgotamento sanitário estão indo, na sua cidade?

Ficou interessado sobre o tema e sobre a campanha?

Entra nos sites:

www.wheredoesourpoogo.org

http://www.tratabrasil.org.br/saneamento-no-brasil

Fortaleza 2040