32 C°

.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Geral

Cineteatro São Luiz promove transformação cultural ao longo de 66 anos de história

quarta-feira, 03 de abril 2024

Dos Irmãos Lumière a Shakespeare, a arte vem fazendo parte da história desde do seu início, servindo como uma ferramenta cultural para mostrar a realidade e dificuldades de diversos povos ao redor do globo. Com as revoluções tecnológicas, novas expressões artísticas foram sendo criadas, sendo a principal delas o cinema, que se converteu em um fenômeno popular por sua linguagem inovadora. Como resultado disso, diferentes salas para projeção de filmes foram sendo construídas ao longo das décadas para suprir uma demanda cada vez mais crescente.

Foto: Divulgação

Um deles foi o Cineteatro São Luiz, localizado na Praça do Ferreira, que vem modificando desde sua primeira exibição a vida de inúmeras pessoas, sempre trazendo cultura para diferentes camadas da população cearense. Se mantendo como um dos poucos resquícios de uma época esquecida, o edifício continua moldando e revitalizado a história de Fortaleza com suas fortes imagens audiovisuais e espetáculos imersivos. Transformando o espaço em um marco afetivo e histórico para muitos indivíduos.

Com 66 anos de história, o equipamento teve a sua construção iniciada em 1939, com a sua primeira sessão ocorrendo apenas em 26 de março de 1958, com a exibição do filme norte-americano, Anastásia, estrelado pela atriz Ingrid Bergman e o ator Yul Brynner. Atualmente, o edifício com mais de mil lugares pertence desde 2014 ao Governo do Estado do Ceará, sendo gerido pelo Instituto Dragão do Mar.

Sendo o único remanescente de Fortaleza da chamada era de ouro dos cinemas de rua, o local vem tentando estabelecer uma relação próxima e aberta com os artistas locais, preservando a essência cultural do estado em meio a uma forte concorrência das salas de projeção dos shoppings centers.

De acordo com José Alves Netto, diretor do Cineteatro, a questão apenas fortalece o espaço como um ambiente democrático e diversificado que gera oportunidades a diferentes tipos de artistas cearenses, sempre oferecendo para o público uma programação que dialogue com o cotidiano do estado.

“O Cineteatro São Luiz segue no tempo, ostentando a condição de único remanescente de uma era de ouro dos cinemas de rua em Fortaleza. Enxergamos isso como um compromisso com os artistas e o público, de ser a casa do audiovisual e da cultura cearense, de mantermos a nossa essência de forma pungente, sendo um espaço vivo e aberto para produções e discussões sobre cinema e audiovisual. Além disso, ser um cinema de rua torna a nossa relação com a cidade mais forte e orgânica, somos a Praça do Ferreira, somos também o Centro de Fortaleza. Portanto, temos a missão de pensar e construir uma programação cultural, artística e democrática que dialogue com a diversidade e com os públicos do território do qual fazemos parte”, salientou.

Mas não é apenas no cinema e no teatro que o espaço vem promovendo a sua transformação. Nos últimos anos, o centro cultural virou um campo para apresentações e expressões artísticas de diferentes áreas, abrigando palestras, shows de humor e festivais de música, como o Festival de Jazz e Blues, além de apresentações de música clássica e de outros artistas nacionais populares.

Tendo o objetivo de se manter próximo das camadas mais baixas, o local busca promover preços populares e eventos gratuitos, com 80% de sua programação sendo totalmente grátis para todos. Segundo José Alves Neto, o objetivo é expandir a questão, gerando novas conexões com variadas pessoas.

“A valorização do artista cearense é um compromisso da gestão nas outras linguagens também, como música e artes cênicas. Neste ano, portanto, queremos manter a maioria da programação artística do Cineteatro São Luiz sendo feita por artistas cearenses nas mais diversas linguagens. Temos como missão ofertar uma programação plural e acessível com o intuito de promover a democratização e a cidadania cultural. Hoje, mais de 80% da programação do Cineteatro São Luiz é totalmente gratuita. Nosso objetivo é seguir expandindo as conexões da arte e da cultura com as pessoas, os espaços públicos e as instituições”, destacou.

Para o entusiasta de cinema, Gustavo Fiterman, o local é importante, realçando a arquitetura histórica considerada rara na cidade, mas ressalta a necessidade de uma programação mais acessível, sugerindo filmes que possam gerar mais público.

“É um lugar histórico, um edifício muito importante, sempre é fantástico ir quando tem um filme sendo exibido, eu gosto muito da estrutura, aquela coisa histórica, aquele cineteatro antigo, aquela tela enorme. Eu acho sensacional. E deveria passar mais coisa, eu acho que passa pouco. Poderia ter uma programação mais acessível para o que as pessoas querem ver. Algo que possa dar mais público”, ressaltou.

Por Welisson Castro

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com