32 C°

terça-feira, 30 de novembro de 2021.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Geral

Vila das Artes promove programação cultural para comemorar o Dia da Consciência Negra

A Vila das Artes promove, nesta última semana de novembro, atividades especiais e gratuitas em celebração ao Dia da Consciência Negra. A programação traz rodas de conversas, oficinas de dança, sessão cineclubista, espetáculo teatral e outras ações. Estas estão sendo mobilizadas pelas escolas públicas de Audiovisual, Dança, Circo e Teatro, bem como pelo Centro Cultural Casa do Barão de Camocim e a biblioteca do Complexo Cultural.
Para Mileide Flores, diretora da Vila das Artes, a programação acompanha o sentimento de reflexão sobre o combate ao racismo. “A Vila é um lugar que durante o ano inteiro mantém um diálogo atento que visa o combate a todas as formas de exploração. A programação especial em referência ao mês da Consciência Negra é um convite para pensarmos e repensarmos nosso passado e o nosso presente”, comenta a diretora.

Programação
Ontem, o Centro Cultural Casa do Barão de Camocim recebeu a exposição “Pra ficar claro, escureci”. As obras coletivas de artistas como Felipe Heloi, Nycolas Di, Robson Marques e Tamires Ferreira permanecem no centro cultural até o próximo sábado (4). A exposição fala um pouco de reflexão sobre a negritude no Ceará

Além disso, às 19h, o grupo teatral Nóis de Teatro apresenta o espetáculo “Todo camburão tem um pouco de navio negreiro”, no estacionamento da Vila das Artes. O espetáculo fala da história de Natanael. Ele é um menino negro, que devido às circunstâncias de um ambiente violento e opressor, toma decisões que custarão um julgamento popular. Convocado à decisão sobre o destino de Natanael, o público se vê inserido num forte debate sobre o extermínio da juventude negra nas periferias.

Hoje, a escritora e cantora Patricia Adjoke é recebida na biblioteca da Vila para um bate-papo sobre a influência da negritude na sociedade.
No sábado (27), ocorrem as oficinas de dança “Dançando com a Tela”, com Janaína Bento, e “Swing Jazz: Entre o Lindy Hop e o Charsleston”, com Rubéns Lopes. Para participar, é preciso se inscrever em www.linktr.ee/viladasartes.
Dentre as atividades virtuais, há a sessão cineclubista “Entre a Forma e a Quebra: O Tempo Negro”. Com curadoria de Clébson Francisco e realização em parceria com a produtora Acasamata, a sessão ocorre a partir das 17h30 de sexta-feira, no canal da Vila das Artes no Youtube. A exibição dos filmes é seguida por bate-papo ao vivo, com a curadoria, realizadores e convidados.

Duas rodas de conversa on-line encerram a programação: “A Palhaçaria Griô”, com o artista baiano João Lima, na segunda-feira (29), e “Pretitude no Circo”, com Helder Vilela, de São Paulo, na terça-feira (30). Formulários de inscrições também se encontram disponíveis em www.linktr.ee/viladasartes. Ambos os eventos acontecem via Google Meet às 18h.

Helder Vilela, ministrante da roda de conversa “Pretitude no Circo”, explica sobre o assunto. “Homem cis, bicha preta, artista circense e drag queen. Seu caráter não pode ser moldado, mas sua arte sim. Este ato transcende os patamares artísticos no quesito técnica. A junção de duas ou mais artes que aqui no caso são as artes circenses e drag queen são meramente colocadas a fim de te fazer refletir sobre o que realmente é arte e até onde podemos chegar com ela”, explica o ministrante.

A roda de conversa “A Palhaçaria Griô” consiste em olhar “O imaginário fantástico, a comicidade, o riso, e a figura do palhaço fazem a multiplicidade de experiências formativas das palhaçarias, nessa perspectiva o ator, diretor, e palhaço baiano João Lima, que integra o Núcleo Circo Único, Vialpalco Teatro, Coop. Baiana de Teatro desenvolve o seu fazer artístico como um palhaço griô, em que, segundo ele, não se trata de uma arte engajada, e nem a militância está no conteúdo da sua obra, mas está no “simples fato de ser negro e existir, sobreviver e ousar fazer arte”..

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com