32 C°

.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Mundo

Brasil condena ataque a hospital pediátrico na Ucrânia

quarta-feira, 10 de julho 2024

Sem citar a Rússia, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil condenou o recente ataque perpetrado contra o Hospital Pediátrico Okhmatdyt, em Kiev. Em comunicado, a pasta brasileira ressaltou o “expressivo número de vítimas fatais, incluindo crianças” deixado pela ação violenta. “O governo brasileiro reitera sua condenação a ataques em áreas densamente povoadas, especialmente quando acarretam danos a instalações hospitalares e a outras infraestruturas civis, e expressa sua solidariedade às vítimas e a seus familiares”, pontuou o Itamaraty.

Na nota, o governo do Brasil também exortou às partes envolvidas no conflito a “cumprirem suas obrigações perante o direito internacional humanitário, inclusive a proteção especial conferida a instalações e unidades médicas, que devem ser respeitadas em todas as circunstâncias”. Além disso, o Ministério das Relações Exteriores reiterou que o país continua defendendo o diálogo e uma solução pacífica para o conflito que está ocorrendo no leste europeu desde fevereiro de 2022.

Os bombardeios orquestrados pela Rússia na última segunda-feira, 08, deixaram cerca de 40 mortos em diferentes partes da Ucrânia, sendo que 31 deles foram registrados em Kiev, incluindo quatro crianças. O hospital em questão, que era o maior da pediatria no país, foi destruído. À pedido do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, tais ataques foram tema de discussão do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Nesta terça-feira, 09, durante a reunião de emergência do órgão, uma funcionária das Nações Unidas considerou que disparar contra hospitais pode ser classificado como “crime de guerra”. “Dirigir ataques intencionalmente contra um hospital protegido é um crime de guerra e os perpetradores devem ser responsabilizados [….] Estes incidentes fazem parte de um padrão alarmante de ataques sistemáticos contra centros de saúde e outras infraestruturas civis na Ucrânia”, declarou a subsecretária interina da ONU para assuntos humanitários, Joyce Msuya.

Ontem, na capital ucraniana, as bandeiras estavam hasteadas a meio mastro e a prefeitura decretou luto pelos falecidos. A Rússia afirma que a situação foi provocada pelos sistemas de defesa aérea da própria Ucrânia e reforça que as forças militares de Vladimir Putin só agem contra infraestruturas militares.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com