32 C°

.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Mundo

Em campanha eleitoral, Sunak promete reduzir imigração ilegal

quinta-feira, 20 de junho 2024

O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, voltou a defender, nesta quarta-feira, 19, que as imigrações ilegais para o país só poderão ser desencorajadas mediante a adoção da ideia de enviar essas pessoas para Ruanda, no continente africano, depois que cruzarem as fronteiras britânicas. Os comentários foram feitos em meio a novos recordes de imigração ilegal e no contexto da campanha de Sunak para as eleições gerais, marcadas para o próximo dia 4 de julho.
O líder do partido Trabalhista, de oposição, Keir Starmer, chamou a ação de “truque” e acusou o atual governo conservador de ter perdido o controle das fronteiras. Defendendo a própria eleição, Starmer disse que, caso chegue à liderança do Reino Unido, uma equipe de trabalho especializada reunirá funcionários da polícia, da agência de inteligência doméstica e promotores para trabalhar com agências internacionais no intuito de combater a atuação das gangues por trás do contrabando de pessoas.
Somente na última terça-feira, 18, mais de 800 requerentes de asilo chegaram ao país em pequenos barcos. Este foi o maior número a ser registrado em um único dia desde 2022. Parar com a chegada dos barcos e controlar a imigração ilegal tem sido um dos principais pontos defendidos pelo atual premiê britânico no âmbito da sua campanha para reeleição. No entanto, as pesquisas indicam uma vantagem significativa para o Partido Trabalhista no pleito.
A medida de enviar imigrantes ilegais para Ruanda não é bem vista por organizações internacionais. Na semana passada, advogados representando o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) afirmaram que o envio colocava os requerentes de asilo em risco e caracterizaram a ideia como “refoulement”, que diz respeito ao envio de imigrantes para territórios onde podem ser ameaçados por diversas razões, como religião, raça e outras questões.
A visão dos representantes do ACNUR foi apresentada com base em evidências que também serviram para nortear a decisão proferida pela Suprema Corte do Reino Unido que, no ano passado, declarou que o plano pretendido pelo governo era ilegal. Diante disso, o primeiro-ministro assinou um novo tratado com o país africano e também aprovou uma nova legislação para anular a proposta anterior.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com