32 C°

segunda-feira, 16 de maio de 2022.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Mundo

EUA dizem que guerra na Ucrânia depende de Putin

quinta-feira, 27 de janeiro 2022

Os Estados Unidos rejeitaram formalmente as propostas russas para tentar solucionar a crise com a Ucrânia nos termos desejados por Vladimir Putin. Afirmam que guerra ou paz no país europeu agora dependem da reação do russo, e que estão “preparados de qualquer jeito”. As afirmações foram feitas pelo secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em entrevista em Washington. Ele não detalhou o documento entregue a seu colega russo, Serguei Lavrov, porque confia em “conversas confidenciais”. Em um sinal de que diz temer um conflito iminente, a embaixada americana em Kiev pediu que todos seus cidadãos deixem o país.

A resposta americana era previsível, e manteve a disposição americana de conversar. “Estamos abertos ao diálogo”, afirmou Blinken. Depois, sem detalhar, falou sobre as demandas que haviam sido apresentadas por escrito por Putin:

  1. Expansão da Otan. O Kremlin quer a volta da aliança a seu tamanho antes de absorver membros ex-comunistas, a partir de 1999. Blinken disse não.
  2. Entrada da Ucrânia. Putin queria compromisso de que a aliança nunca chegaria às suas portas na grande fronteira com os ucranianos. Blinken disse não, e ressaltou que não abre mão da soberania territorial de Kiev.
  3. Outros temas. Aqui está a porta de saída do imbróglio, se é que existe com exercícios militares envolvendo milhares de russos em três lados da Ucrânia. Blinken disse que está aberto para conversar mais, e citou temas como desarmamento nuclear e monitoramento de exercícios militares mútuos.

Problema
O problema é que tudo isso já havia sido colocado na mesa antes, em três semanas de negociações diversas. O americano disse que deverá falar novamente com Lavrov, assim que o chanceler conversar com Putin sobre o óbvio: o impasse segue.

Talvez mais importante, Blinken insistiu que haverá conversas com reciprocidade “se a Rússia desescalar suas forças” em torno da Ucrânia –de 100 mil a 175 mil soldados mobilizados desde novembro, insuficiente para uma invasão total em tese, mas adequado para ações como a eventual anexação do Donbass. A região no leste ucraniano está no centro da crise. Em 2014, Putin anexou a Crimeira e ajudou rebeldes pró-Rússia de lá numa guerra civil que já matou 14 mil pessoas porque o governo que o apoiava em Kiev havia sido derrubado.

Para o Kremlin, a Ucrânia e o resto de seu entorno têm de ser neutros ou aliados –como o eram na União Soviética ou no Império Russo. Politicamente, além de tudo, uma Kiev melhorada com amplo apoio ocidental poderia ser vendida aos russos como um exemplo do que fazer com seu próprio país.

Por fim, Putin compartilha a noção da elite russa de que a Ucrânia não é bem um país, mas um pedaço da Rússia. Na Belarus, que compartilha com os dois vizinhos laços étnicos, linguísticos e culturais, o processo de fusão está acelerado devido ao apoio do Kremlin à repressão da ditadura contra a oposição.

Não houve resposta imediata de Moscou, mas o tom do que viria a acontecer tinha sido dado por Lavrov em discurso horas antes na Duma, a Casa baixa Parlamento russo. “Se o Ocidente continuar seu curso agressivo, Moscou irá tomar as medidas retaliatórias necessárias”, afirmou Lavrov. “Nós não vamos deixar nossas propostas serem afogadas em discussões sem fim.”

E Blinken, repetindo o que já vinha sendo falado antes, basicamente propôs uma discussão sem fim. Além disso, desfiou o rosário de armamentos entregues para os ucranianos recentemente, como sistemas antitanque Javelin, desenhados para enfrentar blindados russos.
Os EUA, disse, estão comprometidos em ajudar Kiev a se defender. Na prática, isso poderia aumentar a fatura para Putin, mas não impedir uma vitória ao menos inicial de Moscou –ainda que ocupar seja uma coisa, como disse Maquiavel, e manter território, outra.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com