32 C°

.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Mundo

Lula fala com Maduro sobre observadores internacionais em eleições

quinta-feira, 06 de junho 2024

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversou, nesta quarta-feira, 05, com o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, por telefone e ressaltou a importância da atuação de observadores internacionais durante o processo eleitoral do país, que está previsto para ocorrer em julho. De acordo com as informações divulgadas, o chefe do Executivo nacional manifestou o seu apoio ao Acordo de Barbados, assinado no ano passado e que definiu os termos para a realização de eleições presidenciais livres na Venezuela em 2024.
Na semana passada, a Venezuela retirou o convite para que a União Europeia (UE) enviasse observadores internacionais para a votação devido a manutenção de sanções por parte dos europeus. Conforme o Planalto, Lula disse ter a expectativa de que “as sanções em vigor contra a Venezuela possam ser levantadas, de modo a contribuir para que o processo eleitoral possa seguir adiante em clima de confiança e entendimento”.
No final de janeiro, os Estados Unidos confirmaram que retornariam a impor sanções contra o setor de petróleo e gás do país governado por Maduro em razão do impedimento da candidatura de María Corina Machado, cuja inabilitação política foi ratificada pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).
No mês de abril, o próprio Maduro comentou sobre as preocupações apresentadas por outros países sobre o processo eleitoral venezuelando, definindo-as como um “circo”. “Começou o circo, começou a campanha, há nervosismo em Washington, (…) há nervosismo na direita regional, deixem de ser nervosos”, disse o presidente que concorrerá novamente ao cargo no pleito.
O Brasil está entre os países que manifestaram receios quanto à confiabilidade e a transparência das eleições que estão por vir, principalmente, após uma outra representante da oposição, Corina Yoris, relatar que foi impedida de se inscrever para concorrer à presidência. De acordo com Maduro, a Venezuela dispõe de um dos sistemas eleitorais mais confiáveis, transparentes e auditados do mundo e os norte-americanos estariam liderando uma campanha para deslegitimar tal sistema.
Yoris, que era a candidata indicada por Machado, denunciou ter tentado sem sucesso registrar sua candidatura virtualmente e afirmou ter ido presencialmente ao Conselho Nacional Eleitoral, mas não conseguiu incluir seu nome entre as escolhas para presidente. Atualmente, o ex-embaixador Edmundo Gonzalez é o candidato da coalizão de oposição. Na época, o Itamaraty alertou que a situação não estava seguindo o que fora determinado no Acordo de Barbados.
O Ministério de Relações Exteriores da Venezuela respondeu, argumentando que o texto brasileiro parecia ter sido “ditado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos” e que os comentários feitos estavam “carregados de profundo desconhecimento e ignorância sobre a realidade política na Venezuela”. Em outro momento, uma missão da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que estaria ocorrendo uma reativação da repressão política contra opositores na Venezuela, citando prisões arbitrárias e desaparecimentos, o que a administração de Maduro considerou como acusações infundadas.
De acordo com o governo brasileiro, no telefonema feito ontem, o presidente Lula também debateu sobre o início de tratativas para que haja a liquidação de um acordo de cooperação e facilitação de investimentos e renegociação de dívida bilateral.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com