32 C°

.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Nacional

Vivara é condenada por exigir funcionárias magras e de cabelo liso

quarta-feira, 01 de maio 2024

A rede de joias Vivara foi condenada a pagar indenização de R$ 10 mil por impor padrões de gênero e de aparência durante os processos de contratação. A sentença foi dada pelo Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo e ainda cabe recurso.
O fundador da empresa exigia mulheres de cabelos longos e lisos, magras, sem tatuagem e sem piercing, segundo o processo. Uma analista de recrutamento e seleção, autora da ação trabalhista, afirmou que era obrigada a adotar critérios relacionados a padrões de beleza para escolher as contratadas.
Ela contou que as vagas deveriam ser preenchidas exclusivamente por mulheres. O motivo seria evitar que as funcionárias tivessem relacionamentos amorosos no trabalho e engravidassem.
A exclusividade feminina se aplicava somente a vagas de atendimento ao público. Para vagas administrativas, tanto homens quanto mulheres poderiam ser admitidos. Uma testemunha confirmou as orientações e disse que os critérios de contratação eram passados para a equipe apenas verbalmente.
A empresa objetificou o corpo feminino e exigiu padrões de beleza, segundo a juíza Yara Campos Souto. A magistrada considerou que “a atitude de só contratar mulheres pode parecer benéfica para o gênero em um primeiro olhar, mas no caso concreto revela comportamento machista e discriminatório”.
A empresa deve pagar R$ 10 mil à analista de recrutamento e seleção por danos morais. Para a juíza, ficou provado que a empresa impôs critérios discriminatórios e ilícitos à funcionária, o que caracteriza atentado contra a dignidade e integridade.
A reportagem tentou contato com a Vivara, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com