32 C°

.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Política

Pacheco diz que extremismo serve para conquistar votos

terça-feira, 21 de maio 2024

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD), fez discurso conciliatório e de defesa da moderação, durante almoço no Instituto dos Advogados de São Paulo, nessa segunda-feira (20). “O radicalismo e o extremismo servem para poucos, e para esses poucos terem adesão na hora do voto.”
O senador afirmou que a briga acaba sendo instrumento para garantir mais atratividade no discurso eleitoral, mas que o político não deve pensar em eleições o tempo todo. “Quem está na política pensando o tempo inteiro em eleição é melhor sair dela, porque a política é feita para poder dar resultado para as pessoas. Não para garantir nova eleição ou like em rede social.”
Questionado pela imprensa sobre as críticas que líderes do Congresso Nacional têm feito sobre dificuldades de articulação e diálogo com o governo Lula (PT), Pacheco respondeu que “é muito importante ouvir críticas e buscar equacioná-las” e que, depois das críticas, os envolvidos sentam à mesa e dialogam.
Neste mês, o governo conseguiu costurar acordos no Congresso e evitar a derrubada de vetos presidenciais em temas prioritários, como o controle do orçamento e a lei das saidinhas temporárias de presos. O avanço das negociações foi atribuído pelos governistas a uma força-tarefa de ministros e à atuação de Pacheco.
Apesar da boa relação com Lula, Pacheco demonstrou irritação no mês passado diante da ação movida pelo governo junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a desoneração da folha de pagamentos de prefeituras e de 17 setores da economia. O senador disse que o governo cometeu “erro primário”, causou “crise de confiança” entre os Poderes e tentou “um terceiro turno”.
Ontem, Pacheco também comentou sobre a declaração na casa do ex-governador João Doria que sinalizaria para a aposentadoria ao fim do mandato, em 2026. O senador afirmou que na ocasião repetiu a ideia de que existe data de entrada e de saída da vida pública, e que ele não se eternizaria na política. “Agora, o futuro a Deus pertence”, disse.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com