32 C°

.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Colunista - Cláudio Humberto

‘Jeitinho’ na Lei das Estatais dá fôlego a Prates

segunda-feira, 13 de maio 2024

Quando é que vai fechar a porteira?
Presidente Lula para uma mãe pobre, beneficiária do Minha Casa Minha Vida

OSupremo Tribunal Federal (STF) decidiu que está valendo a Lei das Estatais, suspensa por canetada do ministro aposentado Ricardo Lewandowski, mas dispensou Lula (PT) de cumpri-la. Assim, ganhou sobrevida no cargo o ex-senador Jean Paul Prates, cuja nomeação para presidir a Petrobras fere a Lei da Estatais. A demissão de Prates é um clamor dentro e fora do governo, por inaptidão para o cargo. O artigo 17 da lei ressuscitada veda nomeações de políticos na direção de estatais.

Queda de braço
Aloízio Mercadante foi sondado por Lula para substituir Prates na Petrobras, mas Alexandre Silveira (Minas e Energia) veta os dois.

Lei ignorada
A lei veda também a nomeação de tipos como Mercadante, chefe do BNDES, por ter sido um coordenador da campanha eleitoral de Lula.

O remédio é pior
Conhecido chato de galocha, Mercadante tem difícil relacionamento com as pessoas, mas não cabe na frigideira miudinha de Alexandre Silveira.

TCU passou pano
Antes do STF, o TCU também prestou vassalagem ao Planalto sinalizando “não haver impedimento” para Mercadante chefiar o BNDES.

Passando pano
Lula chamou de “narrativa” as denúncias de violação de direitos humanos na ditadura venezuelana. Boric não conteve a indignação.

Horror venezuelano
“Não é narrativa, é uma realidade, é grave e eu tive a oportunidade de ver, vi o horror dos venezuelanos”, disse, “isso exige uma posição firme”.

Da esquerda à direita
Também o uruguaio Lacalle Pou criticou Lula, afirmando que “o pior que se pode fazer é tentar minimizar, tapando o sol com um dedo”

Cadê o dinheiro?
O ministro da Propaganda acusa os críticos de “disseminar fake news”. Ou de “lacrar”, como no vídeo em que o prefeito de Farroupilha cobra dele, Paulo Pimenta, ao telefone, o dinheiro prometido e não liberado.

Fala embolada
Live estranhíssima do senador Jorge Seif (PL-SC) chamou atenção dos seguidores do parlamentar que insinuavam consumo de álcool. Com voz pastosa, Seif explicava sua ida ao show da Madonna.

DF é exemplo
Em trabalho heroico no Rio Grande do Sul, militares dos Bombeiros do Distrito Federal destacados pelo governador Ibaneis Rocha resgataram 149 pessoas e 45 animais só nos cinco primeiros dias de operações.

Divórcio certo
Para Gilson Marques (Novo-SC), “não há mais amor” na relação entre o governo Lula e o Congresso. “Já não é um casal ou dupla de sócios com risco de brigar. Já está em recuperação judicial. Divórcio já aconteceu. O que ocorre, às vezes, é uma recaída, flashback com interesses mútuos”.

Governo frágil
Vice-líder da oposição, Evair de Melo (PP-ES) destacou “subterfúgios” do governo na Câmara, como adiar sessão para escapar de derrotas na análise de vetos de Lula. O deputado promete novas derrubadas.

Tem arroz
Presidente da Associação dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul, Alexandre Velho, descartou necessidade de importação do produto para conter risco de desabastecimento. Diz que 84% da produção foi colhida.

União rima com João
Ao menos no Recife, o União Brasil deve andar junto com o PSB nas eleições municipais deste ano. O partido “conservador”, ex-DEM, ex-PFL, ex-Arena, está para fechar apoio à reeleição do prefeito João Campos.

Ex-amigo
O influencer Whindersson Nunes é o novo ex-querido de militantes da esquerda após confusa publicação ser interpretada como crítica ao governo Lula. Sem perdão, acabou virando desafeto da turma.

Pensando bem…
…em terra de cego, ver é crime.

Jefferson Brant saiu de Uberlândia (MG) e, em Brasília, pediu um emprego ao primo Rondon Pacheco, líder do general Emílio Médici na Câmara. “Claro! É só esperar. Você será agente administrativo da Câmara.” O tempo foi passando e nada. O primo só dizia: “vai sair”. E advertia: “não fale para ninguém, guarde segredo”. Certo dia um jornal informou que 20 mil candidatos disputavam as vagas para agente administrativo na Câmara. Jéferson jamais esquecerá a desculpa esfarrapada do primo: “Eu não disse para não falar a ninguém? Vazou…”

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com